Dados Curiosos do Brasileirão 2016


Eu adoro futebol! Além de ser um esporte popular mundialmente, ele também nos presenteia com algumas informações bem curiosas e interessantes.

E, claro, o melhor exemplo disso pra nós é o Campeonato Brasileiro, ou Brasileirão, Série A. Ou seja, a elite dos times do Brasil.

Neste post eu vou te mostrar exatamente isso. As informações e curiosidades aqui vão muito além das meras estatísticas que os narradores soltam durante as transmissões.

Saber quem foi o artilheiro, o jogador que mais marcou gols, é fácil. Mas você sabe quem foi o jogador que mais tempo jogou durante o campeonato todo? E aquele que menos minutos jogou, arrisca um nome?

Bem, estes e outros dados curiosos você conhece a partir de agora!

Gols, Gols & Gols

 

Sem eles, afinal, que graça o futebol teria? Aliás, não sei quanto a você mas eu fico p@%# quando uma partida termina em um empate sem gols, no tedioso 0x0.

Há quem diga que quando um jogo termina assim foi porque houve equilíbrio entre as equipes. Não sei, pra mim foi falta de capricho nas finalizações, de pontaria nos chutes, e algumas vezes falta de vontade dos jogadores mesmo.

Quando termina sem gols e a disputa vai parar nos pênaltis, aí tudo bem.

Porém, como o Brasileirão atualmente é disputado em pontos corridos, cobranças de pênaltis só dentro dos 90 minutos regulamentares.

Em se tratando de gols, temos alguns dados bem curiosos:

              1) Apenas 7% do total de 380 partidas terminam no placar de 0x0. Isto é, 27 partidas terminaram sem gols ao fim dos 90 minutos.

             2) A média de gols por partida foi 2,41 gols.

             3) Em 122 partidas, ou seja, 32% de todos os jogos, ao final do primeiro tempo o placar era 0x0.

             4) O placar com mais gols ao final do primeiro tempo foi 2×4 na partida entre Sport Recife e Atlético MG em 05/06. Apesar da vantagem de 2 gols na primeira parte o time mineiro não segurou o time da casa no segundo tempo e a partida terminou em um empate em 4×4.

             5) O máximo de gols por partida foi 8. E foram 3 partidas com este número de gols: o jogo entre Sport Recife e Atlético MG, que citamos acima, foi o único empate (4×4); além dela tivemos 2 resultados de 5×3: Sport Recife (ele de novo!) e Santa Cruz, em 11/09, e Atlético MG (ele mais uma vez também!) recebendo o Botafogo RJ, em 30/06.

              6) O time com MAIOR média de gols nas partidas das quais participou foi o Santa Cruz, com média de 3 gols/partida – esta média refere-se a todos os gols que ocorreram nas partidas que o Santa Cruz jogou, considerando os gols marcados e permitidos.

              7) O time com MENOR média de gols nas partidas das quais participou foi o Atlético PR, com média de 1,84 gol/partida – esta média refere-se a todos os gols que ocorreram nas partidas que o Atlético PR jogou, considerando os gols marcados e permitidos.

 8) O Brasileirão 2016 terminou com 905 gols no total, sendo 391 (43%) marcados no primeiro tempo e 514 (57%) marcados na segunda parte. 

 9) Os 15 minutos que registraram mais gols foram os 15 minutos finais do segundo tempo com 211 (23%) do total de gols. Por outro lado, os primeiros 15 minutos do primeiro tempo foram os que registraram menor quantidade de gols: 117 ou apenas 13% do total.

 

Grandes Palcos

 

Muito tem sido feito pelas confederações e pelos times para atrair mais pessoas aos estádios. Em especial, no intuito de fazer com que as famílias façam dos estádios de futebol uma opção de lazer e divertimento.

Em 2016 durante o Brasileirão Série A os estádios tiveram uma ocupação média de 40%, sendo que a partida com maior público foi entre São Paulo e Chapecoense no Estádio do Morumbi no dia 31/07, domingo, às 11h00, que teve 54.996 pagantes e uma ocupação de 82%. A partida terminou em um empate em 2×2.

No outro extremo, o pior público foi na vitória do América MG sobre o Atlético PR pelo placar de 1×0 em 24/10, segunda-feira, às 20h00. O estádio teve ocupação de apenas 2% com 518 pagantes.

Com média de 15.200 pagantes por partida na edição de 2016, notamos que ainda há muito a se fazer.

O site WorldFootball.net publicou uma lista com as ligas que possuem maior média de público no mundo inteiro, e o Brasileirão ainda não figura entre os 10 primeiros. A primeira liga da lista é Bundesliga da Alemanha com uma incrível média de público de 43.177, seguida pela Barclays Premier League com média de 36.487.

A décima colocada na lista 2.Bundesliga, a segunda divisão alemã, ainda leva uma boa vantagem sobre o Brasileirão. Ela possui média de público de 19.147

 

Joga Muito…

 

A edição de 2016 terminou com a artilharia sendo dividida por Diego Souza do Sport Recife e William Pottker da Ponte Preta, cada um com 14 gols marcados.

Porém, eles literalmente não jogaram tanto assim. O motivo está aqui embaixo: Renato do Santos FC.

O experiente volante do Peixe jogou nada mais nada menos que 3.368 minutos durante todo o campeonato. Foram exatas 56 horas e 8 minutos em campo. Jogou 38 partidas e entrou como titular em todas elas.

Se ele teve tempo pra fazer gol? Claro! Fez 2 gols, deu 3 assistências que se tornaram gols e muito disciplinado tomou apenas 2 cartões amarelos. Realmente impressionante!

Este camisa 8, não há dúvidas, jogou demaaaaaaaiiiisssss!!!!

Por Outro Lado…

 

Ser reserva, realmente não é pra qualquer um. Imagina passar o campeonato todo não entrando em campo.

Claro, muitos jogadores são listados pra o Brasileirão, não jogam, mas são aproveitados em outras competições como Copa do Brasil e Copa Sul-americana, por exemplo.

Como estamos falando exclusivamente sobre o Brasileirão 2016, vamos a alguns dados curiosos sobre jogadores que esquentaram banco nesta competição.

Bom, 151 jogadores, nas mais variadas posições, foram listados por seus respectivos técnicos porém não jogaram nem sequer 1 minutinho 🙁

E qualquer 1 minutinho conta! Rodrigo Andrade, meia da Chapecoense, entrou em campo durante apenas 1 minuto.

Andrade teve seu contrato com a Chape reincidido em julho de 2016.

Já o goleiro Lucas França do Cruzeiro tem uma história diferente pra contar: ele é o campeão do banco de reservas. Ficou assistindo 36 partidas de uma posição privilegiada no estádio e durante apenas 2 jogos entrou como titular.

Lucas defendeu o gol do Cruzeiro durante 235 minutos durante toda a edição 2016 do Brasileirão Série A.

 

Os “Bad Boys”

 

Na edição de 2016 foram distribuídos 1.827 cartões.

Bruno Silva do Botafogo RJ foi o jogador que mais foi punido com cartões amarelos: 14 no total. Curioso é que Bruno nunca chegou a ser expulso de campo e não levou um vermelho durante toda a competição.

O volante do Bota foi relacionado para 31 partidas e em todas as 31 entrou como titular – não, banco não é com ele. Jogou 2.701 minutos, marcou 4 gols e deu 2 assistências.

Já Lucas Marques que atuou pelo Cruzeiro foi o jogador com mais cartões vermelhos – e mesmo assim não foram tantos – 3 no total, além de 7 amarelos.

Lucas foi relacionado para 33 partidas: em 20 entrou como titular da equipe e em 13 assistiu a partida do banco de reservas. Jogou durante 1.733 minutos no total.

 

 

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *